11 de dez de 2013

PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA




PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 1


Acha-se o diâmetro médio e desenha-se inicialmente a vista de elevação (fig. 34). A seguir, traça-se o semicírculo 1-7, o qual será dividido em um número qualquer de partes iguais, 1-2-3-4-5-6-7. A partir destes pontos serão levantadas perpendiculares que tocarão a parte inclinada do cilindro marcando-se os pontos que tocarão a parte inclinada do cilindro marcando-se os pontos 1’-2’-3’-4’-5’-6’-7’. A seguir, multiplica-se o DM por 3,142 e sobre uma reta que deverá ser traçada ao lado da fig. 34, marca-se o comprimento encontrado. Divide-se esta reta em partes iguais (exatamente o dobro das divisões feitas na fig. 34). Por estas divisões serão levantadas perpendiculares. Depois, partindo dos pontos 1’-2’-3’-4’-5’-6’-7’ (localizados na parte inclinada do cilindro), traçam-se retas horizontais que cruzarão com as verticais levantadas anteriormente, marcando os pontos 1”-2”-3”-4”-5”-6”-7”.
Finalmente, unem-se estes pontos com o auxilio de uma régua flexível.




DESENVOLVIMENTO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 2




Como sempre, acha-se primeiro o diâmetro como foi explicado nas figuras 32, 32 e 33. A seguir, desenha-se a vista  de elevação do cilindro e marca-se o ângulo de inclinação ABC. Traça-se o arco AC e divide-se em um número qualquer de partes iguais. Multiplica-se o DM por 3,142 e marca-se o comprimento encontrado 1-1 sobre uma reta qualquer. Levantam-se as perpendiculares 1-7 e 1-14. Transporta-se com o compasso o arco ACpara as verticais 1-7 e     1-14, dividindo-os em partes iguais. Unem-se estas partes através das retas 1-8, 2-9, 3-10, 4-11, 5-12, 6-13, 7-14. Divide-se a reta 1-1 no mesmo número de partes iguais e levantam-se perpendiculares que cruzarão com as horizontais traçadas anteriormente. Marcam-se os pontos de cruzamento e unem-se com uma régua flexível.



PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 3




Muitas vezes, a chapa em que se está traçando a peça é pequena, sendo suficiente apenas para fazer o desenvolvimento, não tendo espaço para se traçar à vista de elevação do cilindro. Neste caso, utiliza-se o processo 3, que consiste em se traçar a vista de elevação (fig. 38) em qualquer pedaço de chapa (em separado) com todos os detalhes já indicados nas figuras anteriores. Depois se traça a linha AB na chapa em que se está traçando a peça. Dividir-se-á em partes iguais e levantam-se perpendiculares. Então, abre-se o compasso com abertura igual a 1A(fig. 38) e marca-se esta medida no desenvolvimento (fig. 39). Volta-se ao perfil e pega-se a medida 2Bpassando-a para o desenvolvimento. Pega-se a medida 3Ctransportando-a também. E assim por diante, sempre marcando as medidas à esquerda e à direita da linha de centro 7G da fig 39.

Nenhum comentário:

Postar um comentário